Este espaço publicitário pode ser seu
Primeira página  |   Publicite connosco  |   Favoritos  |   Classificados  |   Estatuto Editorial  |  Login  | Registo Sexta-feira, 10 de Julho de 2020
Actualidade Política Concelho Cultura Desporto Entrevista Participe Nós
 

CAMPANHA Menino de 8 meses padece de leucemia aguda
Onda de solidariedade pelo pequeno João José

Barcelenses solidários com o bebé de oito meses que luta contra grave doença.

É impossível ficar indiferente à história do pequeno João José, o menino de oito meses a quem em Agosto foi diagnosticada uma leucemia mieloblástica aguda, uma forma da doença de alto risco. Centenas de pessoas solidarizaram-se com a causa e participaram ontem, no IPCA, na acção de recolha de sangue para tentar encontrar um dador de medula óssea compatível com o bebé barcelense. Sem dador compatível nos familiares próximos e no banco universal, mantém-se a esperança que da campanha chegue a solução vital para o menino, internado há dois meses no Instituto Português de Oncologia do Porto, a receber tratamento de quimioterapia.

João José nasceu no dia 17 de Fevereiro deste ano, "lindo, simpático e saudável", tal como todos os pais desejam. Primeiro filho de um jovem casal de Barcelos, JJ passou naturalmente a ser o centro das atenções e a alegria de toda a família. A 12 de Agosto, depois de uma semana com um ligeiro aumento de temperatura, "normal nestas idades", os pais dirigiram-se ao Hospital de Barcelos para a devida consulta médica. "Confesso que o fizemos para ficarmos mais tranquilos e longe de imaginarmos o que aí vinha", referiu ao BP o pai, João José Martins. Após sucessivos exames, de madrugada veio a pior das notícias, o bebé tinha que ser transferido de imediato para o IPO do Porto. Quatro dias depois, a confirmação e o choque. "O mundo ruiu, perdemos o chão e o norte, ficou então o desespero". Nos dias seguintes, o drama tomou dimensões ainda maiores, ao não ser encontrado qualquer dador com compatibilidade tecidular, nem na base de dados internacional, nem nos familiares próximos.

O menino está agora a receber tratamento de quimioterapia, o que o deixa "sem defesas", pelo que tem que estar em total isolamento até ao transplante. Com o apoio da família, dos amigos e de várias instituições locais, a angústia e a dor deram lugar à esperança. "As lágrimas e a revolta não podem durar para sempre e quando olhamos para ele... só podemos ter um caminho, é agora que ele precisa de nós e como tal o único motivo que nos faz cá estar". "É aqui que o sentimento de impotência fica para trás, não dá para ficar à espera do milagre, temos que o procurar", acrescentou o progenitor. Para Ana Martins, tia de JJ e porta-voz da família na recolha que decorreu ontem no IPCA, vence o sentimento de esperança e a fé de que "o milagre vai acontecer". "Sabemos que é muito difícil, é como encontrar uma agulha num palheiro, mas temos que acreditar que é possível". "Não estamos sós, juntos vamos conseguir", disse, confiante e grata, face à forte adesão.

Mobilização em massa

Na verdade, ninguém ficou indiferente ao apelo "Vamos Ajudar o João José" e isso viu-se pelo grande número de voluntários que compareceu ontem à tarde no IPCA para ser dador de células de medula óssea. Para André Simões, amigo pessoal dos pais e um dos promotores da campanha, participar na acção é um "gesto humano" que pode "salvar a vida do Joãozinho e de outras pessoas que sofrem com a doença". "Acredito que sou eu e, se não for, acredito que o dador compatível vai ser encontrado aqui". Foi também "a proximidade" e o "dever de cidadania" que levou o casal de namorados Cátia Machado e Fernando Costa, ambos profissionais de saúde, a juntar-se à iniciativa, ainda que conscientes das dificuldades que há em encontrar pessoas com perfeitas semelhanças: "Sabemos que as probabilidades são mínimas, por isso quantas mais pessoas aderirem, melhor".

Nos últimos dias, este caso tem despertado uma gigantesca onda de solidariedade, que já ultrapassou inclusivé as fronteiras do país. Panfletos, redes sociais, dezenas de voluntários em vários eventos, divulgação pelas entidades locais – como Gil Vicente, Óquei de Barcelos, Associação Moto Galos, IPCA, entre outras – marcam a campanha a que todos ficam sensíveis. Lá fora, em Inglaterra, Brad Jones, guarda-redes do Liverpool, que há cerca de um ano perdeu o filho Luka por causas semelhantes, também se uniu à causa, apelando à participação de todos na recolha. "Vamos ajudar o João a levar uma vida plena e saudável", pode ler-se no site oficial do clube inglês.

A próxima campanha realiza-se no dia 18 de Novembro, em Azurém, Guimarães.

Autor: Maria Oliveira
Quarta-feira, 31 de Outubro de 2012 - 13:14:22

Notícias relacionadas
Comentar  |   Imprimir  |   Voltar...
COMENTÁRIOS
Esta notícia ainda não foi comentada.
Comentar  |   Imprimir  |   Voltar...
 
 
Termos de utilização  |  Política de privacidade  |  Contactos | Informação institucional - Lei da transparência  
Termos de utilização    |    Política de privacidade    |    Política de cookies    |    Resolução Alternativa de Litígios    |    Livro de Reclamações On-line