Este espaço publicitário pode ser seu
Primeira página  |   Publicite connosco  |   Favoritos  |   Classificados  |   Estatuto Editorial  |  Login  | Registo Quinta-feira, 17 de Outubro de 2019
Actualidade Política Concelho Cultura Desporto Entrevista Participe Nós
 

Erro técnico do árbitro no jogo em Oeiras
Óquei protesta na Linha

O Óquei de Barcelos perdeu em Oeiras, por 3-1, em jogo referente à 4ª jornada do nacional da primeira divisão de hóquei em patins. Contudo, a turma minhota protestou o jogo por erro técnico do juiz Jaime Vieira.

Jogar no pavilhão de Oeiras é muito complicado e disso sabe muito bem o Óquei de Barcelos que o ano passado, no dia 21 de Fevereiro, na penúltima jornada, perdeu por 2-0, sendo assim relegado para o grupo B, aquele que decidia quem descia à segunda divisão.
Esta temporada nada se alterou. Jogar na Linha continua a ser extremamente difícil, e que o diga o FC Porto que teve de puxar pelos galões para vencer por 5-3.
Mas quando um recinto é tradicionalmente um caso “bicudo”, pior fica para o adversário quando a equipa de arbitragem tem decisões que influenciam o jogo e o marcador.
Sábado foi um desses casos e o Óquei de Barcelos protestou mesmo o jogo por alegado erro técnico do juiz alentejano.
Tudo aconteceu na segunda parte quando numa falta apontada pelo juiz António Fialho a favor do Óquei de Barcelos, Zé Pedro e um jogador da casa desentenderam-se. Foi quando, vindo do outro canto, o juiz Jaime Vieira resolveu intervir e mostrar cartão azul ao defesa barcelense apontando, de seguida, um livre directo. Ora, o que dizem as regras é que a falta a aplicar será sempre a primeira, independentemente de ser mostrado cartão azul ao jogador que prevarica. Ou seja, Zé Pedro seria admoestado e expulso por dois minutos mas o livre directo nunca poderia ser sancionado. Nada satisfeito com esta decisão, o capitão do Óquei, António Leal, dirigiu-se ao juiz para dizer que estava errado e que não poderia marcar livre directo dizendo que iria apresentar protesto por erro técnico. “Ai é um erro técnico, toma lá o cartão azul”, foram estas as palavras proferidos pelo árbitro que expulsou Leal. Conclusão. Os barcelenses ficaram apenas com Kika e Xixa em ringue. O Oeiras aproveitou muito bem esse factor e melhor ainda a desconcentração minhota. Em pouco tempo elevou a vantagem para 3-0 e em cima do final, já depois de cumprir os dois minutos devido ao cartão azul, Leal reduziu para 1-3. Concluída a partida, o Óquei apresentou um protesto alegando erro técnico do juiz da partida.
Finda a quarta jornada, o Óquei viu-se ultrapassado na tabela classificativa pelo Oeiras, Física e Valongo, que venceram os seus encontros. Neste momento os barcelenses ocupam a décima posição, com quatro pontos, tabela que é liderada novamente por um trio: FC Porto, Benfica e Gulpilhares. No jogo grande da ronda, águias e dragões empataram a duas bolas, enquanto o Gulpilhares, venceu o Paço D’Arcos. No próximo sábado, pelas 18h, o Óquei recebe o Valongo, jogo a contar para a quinta jornada.

Bruno Matos viajou indisposto
e Zé Pedro jogou com a vista inchada
Há dias em que tudo acontece. No passado sábado, o Óquei deslocou-se até Oeiras e regressou a Barcelos com uma derrota na bagagem.
Mas a viagem até à Linha de Cascais e Sintra começou mal pois o brasileiro Bruno Matos sentiu-se indisposto. Com febre e muito fraco, talvez por comer alguma coisa ao pequeno almoço, não deu o seu contributo à turma barcelense, apesar de se ter equipado e estar sentado no banco. Foi, assim, uma baixa importante no esquema montado por José Fernandes para este encontro.
Mas se o técnico já tinha uma contrariedade mesmo antes do início do jogo, pior ficou quando, no aquecimento, Zé Pedro foi atingido na vista por uma bola e, também ele ficou condicionado para o jogo diante do Oeiras.
Durante toda a primeira parte o defesa barcelense “fez gelo” para, caso fosse necessário, entrar em ringue. Foi o que aconteceu. Apesar de estar debilitado, Zé Pedro entrou e ajudou o Óquei, embora o resultado final não tenha sido favorável.

José Fernandes, treinador do Óquei de Barcelos
"Jogar em Oeiras é difícil"
“Como em todos os jogos esperávamos ganhar em Oeiras. Mas começámos logo a perder na viagem com a indisposição do Bruno Matos. Pior. O Zé Pedro levou com uma bola na vista, que ficou inchada e condicionou-o para o encontro. Em relação ao jogo, começámos bem com um livre directo que, infelizmente, o Kika falhou e quando estávamos em superioridade numérica o Oeiras marcou. Fomos à procura do empate, tivemos quatro vezes o golo iminente e nos últimos dez minutos dominámos a partida. Na segunda parte também estivemos bem mas aconteceu o tal lance em que ficámos sem dois jogadores e o adversário aproveitou. É verdade que acabámos em cima do adversário mas apenas conseguimos apontar um golo. Em termos de finalização não correram bem as coisas mas jogar em Oeiras é difícil, é muito complicado. Agora o próximo adversário chama-se Valongo, uma equipa aguerrida e motivada com a vitória frente à Oliveirense mas vamos entrar em ringue para vencer”.

Oeiras, 3 - OC Barcelos, 1
Pavilhão da AD Oeiras.
Árbitros: Jaime Vieira e António Fialho (Alentejo).
Oeiras: Igor Alves, Tiago Nogueira, Rui Gamboa (1), Ricardo Silva e David Abreu (2). Ricardo Antunes.
Treinador: Paulo Garrido
OC Barcelos: Ginho, Leal (1), Kika, Xixa e Hugo Costa. Zé Pedro e Chumbinho.
Treinador: José Fernandes.
Marcha do marcador: 3-0, 3-1.


Cláudia Rego melhor marcadora
do Europeu
A barcelense Cláudia Rego foi a melhor marcadora, com sete golos, do Campeonato da Europa que se realizou em Saint Omer, França. Portugal quedou-se pela quarta posição, a pior classificação dos últimos anos, sendo a selecção vencedora a Espanha.
Em jeito de balanço, Cláudia Rego, em comunicado enviado para o mundook.net, teceu algumas críticas, principalmente à Federação. “O resultado final ficou longe das nossas expectativas. Sonhávamos com o pódio. Este resultado pode dar indício de qual o caminho a seguir e corrigir os erros. Toda a gente tem legitimidade de criticar mas tenho pena que os elogios pelo nosso segundo lugar no Campeonato do Mundo não tenham chegado com a mesma intensidade que chegaram as críticas deste ano. Ao contrário do que se pensa, a selecção feminina, apesar de ser sénior, não tem direito às diárias referentes à semana do campeonato. E mais ainda, temos prémios em atraso que ainda não nos foram pagos e nem sabemos se um dia teremos direito a eles. Treinamos por gosto, não por dinheiro”, frisou a capitã da selecção nacional de hóquei em patins.

Autor: Toni Rosas
Segunda-feira, 02 de Novembro de 2009 - 12:43:40

Notícias relacionadas
Comentar  |   Imprimir  |   Voltar...
COMENTÁRIOS
Esta notícia ainda não foi comentada.
Comentar  |   Imprimir  |   Voltar...
 
 
Termos de utilização  |  Política de privacidade  |  Contactos | Informação institucional - Lei da transparência  
Termos de utilização    |    Política de privacidade    |    Política de cookies    |    Resolução Alternativa de Litígios    |    Livro de Reclamações On-line