Este espaço publicitário pode ser seu
Primeira página  |   Publicite connosco  |   Favoritos  |   Classificados  |   Estatuto Editorial  |  Login  | Registo Sexta-feira, 26 de Maio de 2017
Actualidade Política Concelho Cultura Desporto Entrevista Participe Nós
 

Natacha Salgueiro e Ana Nunes
"Grande parte da BD é para os adultos"

Autoras de "Que Sorte a Minha" fazem da paixão passatempo.

Conheceram-se na Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Barcelos, adoram ler e criar BD (banda desenhada), mas dado o mercado ser pequeno trabalham como técnicas administrativas e guardam a paixão para passatempo. Natacha Salgueiro, 25 anos é de Carapeços, e Ana Nunes, 23 anos é de Arcozelo, fizeram “Que Sorte a Minha”, cujas 140 pranchas o BP editou de 2 de Fevereiro de 2006 a 12 de Julho de 2007. Natacha é tímida, Ana despachada; ambas são autodidactas, dão workshops e até ganham prémios em concursos de arte. Serão as únicas barcelenses na BD.

Que balanço fazem de “Que Sorte a Minha”, a miúda azarada que saiu de casa e foi raptada para roubar um quadro?
Natacha Salgueiro: A nossa sorte melhorou [risos]. Desenvolvemos o traço, a narrativa, o tempo de trabalho. Tivemos reacções de leitores, sobretudo na Internet [justmyluck.webs.io], perguntavam muitos pormenores.
Vocês eram personagens?
NS: Sim. Eu era a Shadow, a Ana era a Ana. Mas não somos ladras ou polícias [risos].

Como é o processo de criação?
Ana Nunes: Faço o argumento e personagens, a Natacha desenha à mão e termino com pintura e balonagem no Adobe Photoshop ou Manga Studio.

O que vos influencia?
AN: Manga japonesa e anime [Air, Gakuen Alice, Naruto]. Filmes de suspense, fantasia e aventura, como “The Eye”.
NS: Os “X-Men”, épicos como “O Senhor dos Anéis”.

Que projectos têm a curto, médio prazo?
NS: Preparo o épico dark “Caligo”, da gótica escocesa com o ser maligno que entra nos sonhos.
O romance “A História de um Cavaleiro”, filho de dama que se torna cavaleiro e morre, recebeu a menção honrosa no Prémio de Literatura de Barcelos.
AN: O livro ilustrado “V.I.D.A.” traz duas mulheres e dois homens (sol ar, água e terra) que sofrem na pele os ataques ao planeta Terra. “Sons de Guerra” é cinematográfico e bélico. “Um Dia Alguém Disse” fala de problemas como alcoolemia ou droga. O romance futurista “Angel Gabriel” tem dois vampiros amaldiçoados e humanos quase extintos. No “Alma”, uma rapariga quer libertar-se de ver almas das pessoas. O romance sobrenatural “No Limiar da Vida” mostra a rapariga que vê mortos e adoece ao ajudá-los. Faço dois projectos de cada vez. “Vermelho Sangue” e “Lobo & Dragão” ficam para depois, há muitas personagens.

Divulgas-te no máximo de sites, como Dreamgazer Studios
(dgstudios.yoll.net).
AN: Faço-o desde Agosto de 2004. Dou muito valor ao público, cresço com críticas. Recebi quatro vezes arte sobre personagens minhas. Fiquei tão contente, quase chorei.

Que visão têm da BD nacional?
NS: Há pouca, mesmo na Net é difícil achar.
AN: A editora Devir arrisca em autores nacionais.
NS: Na Espanha lê-se muita BD e manga, cá não. É cultural.
AN: Mal temos lojas especializadas. Tenho de comprar obras na Espanha ou mandar vir do Reino Unido e Estados Unidos.
AN: Sempre estivemos bastante mal. E há a ideia errada de a BD ser para crianças. Não se devia largar este hábito, existem poucos adultos a ler BD e isso faz mal ao mercado.
NS: Grande parte da BD é mesmo para adultos, como “BlackSad”, de arte maravilhosa.
AN: Eu leio tudo, do infantil ao “hardcore”.

E quanto a filmes animados?
AN: Aí é pior. Nos clubes de vídeo há “anime” com nota “para maiores de 6 anos”, que mostram cabeças decapitadas e sangue em todos os lados. Isso não é para crianças verem! Em Portugal não há noção das coisas, nem tudo o que é desenhos animados é para crianças, os decisores provavelmente nem se dão ao trabalho de ver a película. Há filmes ‘hardcore’ ou ‘hentai’ (prevertidos) nas secções infantis dos clubes de vídeo.
Se tal não é referido na capa do filme, o consumidor não sabe...

Já pensaram criar um filme de animação?
NS: Não. Temos com amigos o projecto “Life String”, para um filme em carne e osso.

Como vêem a evolução da BD internacional?
AN: Discordo que a BD oriental tira espaço à BD europeia (mais realista e aventureira) e à americana (sobre heróis). São distintas e complementares.

Autor: Nuno Passos
Quinta-feira, 19 de Julho de 2007 - 16:55:25

Notícias relacionadas
Comentar  |   Imprimir  |   Voltar...
COMENTÁRIOS
Esta notícia ainda não foi comentada.
Comentar  |   Imprimir  |   Voltar...
 
 
Termos de utilização  |  Política de privacidade  |  Contactos | Informação institucional - Lei da transparência